Balanços finais da greve discente e encerramento do blog

Olá pessoal,

Conforme deliberado em reunião realizada pel@s ex-membr@s do CGDUFABC e buscando respeitar a pluralidade de interpretações, visões e formas de atuação política de quem atuou no CGDUFABC, venho divulgar os balanços finais da greve discente de 2012, que durou 3 meses (de 04 de junho à 04 de setembro de 2012), e informar sobre o encerramento do blog. Os balanços estão apresentados em uma versão sintética e nos links (versão completa).

Balanços finais da greve discente

– Bruna Ferraz Braga, 17 de Setembro de 2012

São diversas as abordagens que eu poderia utilizar para realizar um balanço do fim da primeira greve da UFABC. Ela foi longa, e as percepções ao decorrer do tempo, foram muitas. Gostaria de destacar e compartilhar, com aqueles que se dispuserem a ler, alguns pontos, com destaque para a possibilidade e necessidade da participação d@s estudantes na construção da Universidade Federal do ABC!

Balanço completo

– Danielle Romana Bandeira Silva, 17 de setembro de 2012

Mais do que um meio para se reivindicar por direitos, a greve é momento de aprendizagem e construção de nossas propostas de mudança. Posicionar-se como um@ agente que participa e intervém nas decisões altera, mesmo que minimamente, seus rumos. Por esse viés é possível entender que muitas vezes o desfecho de uma greve, ou de qualquer movimentação social, pode não ser mais importante do que seu processo.

Balanço completo

– Diogo Filippo, 20 de setembro de 2012

A greve foi grandiosa! Mas de fato, será que ela foi tão brilhante quanto aqueles que a defendem acham? E aqueles que queriam a normalidade? E os jogos de interesses que rolaram nesse movimento? Meu balanço é uma pequena reflexão sobre o lado não tão brilhante dessa história.

Balanço completo

– Elber P. Almeida, 17 de setembro de 2012

Dia 04 de junho de 2012, é deflagrada Greve Discente na UFABC. Os estudantes saíram às ruas e o movimento estudantil local se viu reunido num órgão em que havia atrito e pluralidade suficientes para serem criados laços antes inimagináveis entre determinados personagens. Numa situação singular, foi evidenciada a necessidade de que os estudantes estejam atentos às disputas de poder, não apenas locais.

Balanço completo

– Gabriel Camargo, 20 de setembro de 2012

Posso dizer que atuando diretamente no movimento grevista da UFABC, aprendi como nunca antes em qualquer sala de aula. O contexto de debate político da greve clarificou ainda mais a importância da universidade como espaço para pensar a sociedade, mostrou-me o quanto a alienação das pessoas é alta (inclusive os senhores doutores) e quão pouco nós da UFABC, dada a vocação da instituição, ainda estamos fazendo para discutir, repensar e contribuir para essa sociedade.

Balanço completo

– Ivaldo Pessoa de Araujo, 18 de Setembro de 2012

Qual é o seu: foi positiva?, foi negativa?, teve ganhos?, só teve perdas?, alterou a nossa realidade?, devemos discutir suas consequências?, ou deve ser esquecida? A escolher uma, eu particularmente opto por ouvir todas as manifestações e na medida do possível argumentar contra ou a favor, de forma a contribuir com um melhor entendimento sobre o assunto, ressaltando no entanto dois aspectos que considero muito importantes:

Balanço completo

– Lívia Essi Alfonsi, 17 de setembro de 2012

Não sou pragmática e muito menos positivista e portanto não espero que tudo deva percorrer um determinado caminho e que ao final desse caminho deva-se obter um resultado concreto. Não tenho respostas simples ou objetivas. A greve na UFABC não percorreu apenas um caminho e também não teve apenas um resultado concreto no final; e como é bom a pluralidade e a reflexão!

Balanço completo

– Luiz G. S. Neto, 16 de setembro de 2012

Como membro do Comando de Greve Discente da UFABC pude ter a noção de que nós, como estudantes, podemos sim nos organizar e lutar por causas que achamos justas e por avanços, em diversos aspectos, para a universidade. Saímos dessa greve com a consciência que o nosso maior ganho é ter a certeza de que a nossa mobilização possui uma enorme força dentro da UFABC e que podemos usá-la quando quisermos.

Balanço completo

– Rafael Nascimento, 17 de Setembro de 2012

Neste momento é preciso tirar as lições que a “maior greve nacional da educação” deixou após três meses de greve. Desde Brasília até Santo André, de norte a sul do país, o movimento dos estudantes, professores e técnico-administrativos deixou marcas que com certeza mudará a relação política das universidades federais.

Balanço completo

– Tatyane Estrela, 17 de setembro de 2012

Este processo de greve foi fundamental para possibilitar o início de um diálogo entre as três categorias da UFABC. Na arena política, as pessoas têm que tomar posições, as máscaras caem e somos supreendid@s. Nas tramas, tensões e contradições, conhecemos as forças políticas que operam por aqui. O futuro? Será determinado pelo grau de participação, mobilização e transparência de nossa comunidade acadêmica!

Balanço completo

– Thiago M. Ceratti Ribeiro, 17 de Setembro de 2012

Antes da greve eu era de fato um garoto que queria mudar o mundo, (como na música do Cazuza), não concordava e não compreendia quem ficava em cima do muro. Após três meses de greve onde trabalhei bastante acreditando estar colaborando com os alunos, acredito que tive algumas conquistas coletivas e pessoais, algumas frustrações e muitos aprendizados. O que me moveu para o comando foi a chance de representar alunos sobretudo os que trabalham…

Balanço completo

Encerramento do blog

Em 20 de setembro de 2012, se encerra o blog do CGDUFABC – Comando de Greve Discente da UFABC, e-mail, página do facebook  e twitter do comando, meios oficiais e legítimos, de difusão e troca de informações entre o comando, a comunidade acadêmica da UFABC e o público externo. Agradeço, em nome d@s membr@s, as contribuições, sugestões e críticas da comunidade durante este processo de greve. Entendo, que este blog deve permanecer no ar, como arquivo histórico da greve de 2012 e possa ser reativado em caso de uma futura greve. Os dados destes canais de comunicação foram fornecidos para o DCE. A partir de hoje, quaisquer informações ou documentos referentes às questões de mobilização estudantil, devem ser buscados no site do DCE, que é a entidade representativa dos estudantes.

Site do DCE

Página do DCE no Facebook

ATT

Tatyane Estrela

Balanço final da greve discente e apresentação da proposta plus de reposição

Olá pessoal,

Na segunda-feira, 10 de setembro de 2012, às 19 horas, na sala 002 / 004 ou /006, será realizado o balanço final da greve discente, com a participação d@s ex-membr@s do comando de greve discente e demais interessad@s. Esperamos que haja uma participação massiva por parte da comunidade acadêmica. Ao final, deverá ser escrito e publicado um balanço da greve que exponha seus avanços, problemas e contradições.

Como uma etapa de transição da greve para a rotina acadêmica, estão sendo discutidos modelos de reposição que visem reduzir danos e dar conta das demandas d@s alun@s. Um destes modelos é o plus. Envio o link do modelo para a apreciação: https://docs.google.com/folder/d/0B0-hx5pnd2nbNFE0RHFaSUdfc1E/edit . Link alternativo apenas com a proposta, sem o resumo.

Está marcada uma reunião dia 11 de setembro, às 18:30, na sala 006 do bloco A, para apresentação formal da proposta, discussão e ajustes: https://www.facebook.com/events/147313195408696/

Atenciosamente

Tatyane Estrela

1ª plenária unificada da UFABC: o início da construção de uma pauta conjunta

Olá pessoal,

Segue a pauta conjunta, a ser apresentada, discutida e votada nas assembleias das três categorias (discente, TA’s e docentes):

Democracia
1. Debate sobre paridade para reitoria, pautado também no conselho
universitário.
2. Processo estatuinte amplo e democrático. Debate sobre maior
representatividade para TAs e estudantes nos órgãos colegiados.
3. Que as entidades formais das categorias (DCE, Associação Docente,
Associação de Pós­Graduação e Sindicato dos Técnico­Administrativos)
sejam consultadas no que diz respeito à alteração de sua vida
acadêmica e laboral na universidade.
4. Que seja feito um amplo debate em torno das formas de uso e acesso da
universidade pela sociedade, como catracas e muros.
5. Formação de um debate sobre transporte em uma universidade
multi­campi.
6. Debate sobre a construção de uma ouvidoria interna.

Infraestrura e espaços de vivência
1. Construção de creche para funcionários, estudantes e docentes.
2. Construção de moradia estudantil.
3. Contra a existência do TPU ­ Termo de Permissão de Uso. Que a
utilização das salas seja livre e não seja necessário o TPU para
utilização temporária.
4. Construção ou cessão de espaço para as entidades que representam a
comunidade universitária, sem cobrança do TPU.
5. Construção dos laboratórios de engenharia.
6. Que seja feito um debate sobre os projetos pedagógicos e cursos
noturnos.
7. Construção da infraestrutura dos espaços de lazer e complexo
esportivo.
8. Que a infraestrutura de TI da universidade seja tomado pelo conjunto
da universidade e que haja diálogo entre docentes, estudantes e TAs
nas soluções de informática.
9. Consolidação da infraestrutura de segurança, saúde e prevenção de
acidentes na universidade. Como enfermaria e combate a incêndio.

(Fonte: e-mail de Silas Silva – Técnico Administrativo – Relator e participante da mesa)

ATT

Reitoria da UFABC omite informações, confunde e manipula a opinião pública

Olá,

Venho apresentar à comunidade acadêmica da UFABC o dossiê Castelo de Areia, no qual é expressa a atuação da reitoria durante o processo da greve 2012. Link da pasta no google docs com os 13 documentos. Sugiro a leitura na ordem cronológica, do 1º ao 13º documento, para uma melhor compreensão dos acontecimentos. Todos os documentos estão acessíveis diretamente na fonte difusora na data desta postagem.

Análise dos documentos e observações pessoais

Segue breve análise embasada nos documentos expostos.

– Durante o processo da primeira greve unificada (docente, discente e de TA’s) é possível observar sutis alterações no comportamento da reitoria perante as três categorias citadas.

1 – Como levar o povo ao erro

1.1 – 1ª derrota da greve –  18 06 2012: fazendo uso da complexa e sofisticada linguagem burocrática e de terrorismo contra membr@s do ConsUNI-ConsEPE, a reitoria, assessorada pelo Excelentíssimo Procurador  Reginaldo Fracasso, aprovou uma resolução simbólica (nº89) que “autoriza a interrupção de algumas atividades de graduação no segundo quadrimestre de 2012”. Tal resolução, diferente do que compreendemos inicialmente e do que foi difundido, não suspendeu o calendário acadêmico, que seguiu normalmente. Foi o primeiro ato sutil de confundir a população local da UFABC, acalmando os ânimos e dando a impressão de que @s alun@s não seriam prejudicadas com a greve. O comunicado da PROGRAD que se baseia na resolução 89, informa que os prazos estipulados para algumas atividades (cancelamento de disciplinas e outras) seriam redefinidos a partir da retomada das atividades. Como tal comunicado não tem “força” de resolução, só nos resta aguardar os encaminhamentos da PROGRAD, se irão cumprir com o prometido em  tal comunicado ou não.

2 – Confundir para desinformar:

2.1 – Paralisação x Greve: usando novamente estratégias de linguagem e de comunicação, a UFABC colocou em seu site um item denominado “Paralisação“, no qual se encontram comunicados da reitoria denominados como “nota” e “novos esclarecimentos” e um link denominado “Informações dos Comandos de Greve“. Ao invés de GREVE, o site da UFABC informa sobre uma “paralisação”, como se todas as atividades grevistas (atos de rua, panfletagem, aulas-públicas, reuniões, assembleias, negociações, atividades de lazer agregadoras da comunidade acadêmica, difusão de informações das greves, esclarecimentos contínuos, debates via facebook e assembleias, sentre outras) que demandaram tempo e esforço por parte d@s envolvid@s, não existissem, havendo a penas o cruzamento de braços e o abandono das atividades acadêmicas. É digno de nota, que efetivamente, não existe greve docente em universidade pública. Compromissad@s com atividades de ensino, pesquisa e extensão, docentes grevistas deixam de ministrar aulas, mas continuam trabalhando nos outros dois pilares da universidade pública brasileira: pesquisa e extensão. Na UFABC, tivemos um caso curioso, professor@s ministraram durante o período da greve, aulas públicas sobre assuntos diversos, algumas para dar continuidade aos projetos de extensão que executavam e outras pelo desejo de não esvaziar a universidade. Logo, não cabe dar o nome à este processo grevista de “paralisação” e o uso de tal termo só pode servir ao interesse de desqualificar tod@s as atividades desenvolvidas durante a greve.

2.2 – Informações sobre a  Greve: agindo de forma desonesta, a UFABC coloca um link que supostamente dirige @ leitor@ às informações dos comandos de greve. Qual é a surpresa ao se clicar no link? Numa nova página com o título: “Representantes dos docentes, técnicos administrativos e alunos” são expostos 3 links: ADUFABC – Associação de Docentes da UFABC, SinSIFES-ABC – Sindicato dos Servidores das Instituições Federais de Ensino Superior do ABC e DCE – Diretório Central dos Estudantes. Como um link que propaga nos direcionar aos informes dos comandos de greve, acaba por nos levar às páginas das entidades locais? Mas a confusão não acaba aí, ao se clicar nos links das entidades, @ leitor@ é direcionad@ aos blogs dos comandos de greve (docente e de TA’s) e não às páginas das entidades como citado. Mas há uma exceção, o link do DCE é colocado no lugar onde deveria estar o link do CGDUFABC – Comando de Greve Discente da UFABC. Qual a razão disso? Desinformação por parte da reitoria? Estratégia de invisibilização do CGDUFABC? Não reconhecimento do CGDUFABC? Uma política de informação seletiva e bem articulada para promover a difusão do que interessa e censurar o que é desagradável? Só sei que nada sei, espero que @ leitor@ faça seu juízo sobre o fato.

2.3 – 1ª publicação feita a pedido do MEC:Com a nova carreira, novos institutos federais e uma nova universidade – Governo concede reajuste a todos os professores do ensino superior da rede federal“. Essa mensagem propagandística, com a repetição exagerada do termo “novo”, foi a primeira investida do MEC em prol da destruição da greve. Sapiente e articulado, operado pela burocracia sindical que fundou e dirigiu os grandes sindicatos nas décadas passadas, o MEC resolveu usar algumas estratégias para destruir a maior greve das federais dos últimos tempos:

– veicular informações por meio dos sites das universidades que buscassem demonstrar que a greve chega ao fim e que as propostas governamentais são boas;

– fazer uso das reitorias para pressionar localmente os movimentos grevistas, inclusive com ameaça de corte de ponto;

– desinformar a população por meio da difusão midiática de notícias dúbias e “análises bastante questionáveis” (professor@s são elite do funcionalismo, greve remunerada é uma vergonha, categorias são precipitadas, em tempo de crise não há condições para aumento entre outras);

– gerar a impressão de que a greve acabou e que o que se deve fazer agora é reunir conselhos, refazer o calendário e retomar as atividades;

– negociar com docentes e TA’s de forma separada para desmanchar a “união” das categorias;

– usar um sindicato com baixa representação d@s docentes (PROIFES), que possui apenas 8 associações docentes e é alinhado ao governo federal, para dar a impressão de que as negociações foram encerradas e que a carreira docente seria implementada.

2.4 – Assinado acordo entre PROIFES e Governo (site do PROIFES):  Em 03 de agosto de 2012, o PROIFES veicula em seu site a assinatura de termo de acordo com o governo. Tal ação deu base para o governo divulgar o fim das negociações com a representações docente. Deixando de lado o ANDES-SN, o sindicato nacional com maior representação e combativo ao governo federal, o governo passa a atuar de forma incisiva nas reitorias, por meio de ofícios circulares.

2.5 – Três ofícios, diversos pedidos, como acabar com uma greve por meios burocráticos: 

São apresentados os três ofícios, que podem ser lidos no dossiê:

ofício 08/2012 GAB/SESU/MEC, 03 08 2012: Conclusão das negociações com a representação sindical dos docentes

ofício 03/2012 SESU/SETEC/MEC 07 08 2012: Retomada das atividades das IFES

ofício 09/2012 GAB/SESU/MEC 09 08 2012: Negociação concluída com docentes e iniciada com os servidores técnico-administrativos

Objetivamente nos três ofícios são feitos os seguintes pedidos e avisos aos magníficos(as) reitores(as): 

– Retomem as atividades e reponham as aulas suspensas por conta da “paralisação” (lembram-se desta palavrinha mágica?) 

– Ampla difusão das informações em sua comunidade

– Retomem junto aos seus conselhos superiores a discussão sobre a reposição das aulas e demais atividades acadêmicas

– Mec supervisionará DIRETAMENTE a aplicação do calendário de atividades pós-paralisação (de novo a palavra mágica, não há greve, há paralisação!)

– Retorno às atividades normais nas universidades com a reposição das aulas e retomada do calendário acadêmico de 2012

2.6 – A imprensa passa o recado do governo: Estadão, 07 08 2012, “MEC cobra calendário de reposição e já prevê aulas até fevereiro” (ver reportagem no dossiê).

3 – O rei está nu, a reitoria coloca as manguinhas de fora, mas nem tanto – Como agradar a gregos e troianos:

Numa postura covarde, a reitoria passou toda a greve apresentando um discurso dúbio no qual nem apoiava a greve, nem desobedecia as ordens governamentais. Ciente de que serve à dois senhores, o governo federal e a comunidade local, buscou sutilmente não desagradar nenhum ou desagradar de forma mínima um ou outro agente específico, sem causar danos à sua “límpida” imagem. Porém, a partir da análise documental, qualquer leig@ pode averiguar os ofícios do governo e as notas da reitoria e a partir disso, verificar qual o grau de alinhamento da reitoria da UFABC ao pedidos governamentais.

3.1 – Posicionamento da reitoria 10 08 2012

Gostaria de destacar três pontos do posicionamento servil da reitoria:

– resposta à radicalização dos TA’s;

– o uso das procuradorias locais das universidades oara deliberar sobre desconto dos dias “parados” (FRACASSO?);

– execução dos pedidos do MEC para a reunião de conselhos e discussão sobre a reposição.

3.2 – Carta com análise de Yossi Zana (o rebelde sem causa?): 

O senhor Yossi Zana analisa a interferência do MEC nas federais, em especial na UFABC e  faz um ataque ao vice-reitor e pró-reitores que segundo ZANA (2012), atuariam como “ferramentas a disposição da política governista do atual reitor”. Ressalvadas as picuinhas e tentativas de conseguir ganhos políticos locais por parte dos grupos que disputam a reitoria (bem conhecidos pel@s alun@s antig@s), entendo que a carta faz uma análise sóbria e sincera de como tem sido a atuação de nossa reitoria neste processo de greve. Os documentos expostos no dossiê Castelo de Areia, apenas comprovam muitas das afirmações de Zana. Logo, recomendo que TOD@S @s membr@s da comunidade acadêmica da UFABC leiam e estudem a carta-análise.

3.3 – Nota da reitoria 20 08 2012 (os cães ferozes dão o recado): 

Aqui a baixaria toma seu lugar. A reitoria MENTE, ENGANA, DESQUALIFICA e CONFUNDE a opinião pública local:

– MENTE ao dizer que “nossas comunicações com o MEC são esporádicas como sempre foram”;

– ENGANA ao citar que “circulam informações segundo as quais o MEC teria uma linha direta conosco para monitorar a greve. É mentira …”. Oficialmente o MEC não tem uma linha direta, tem uma rede de articulação burocrática por meio de reitorias e pró-reitorias para monitorar e destruir as greve, não por meios políticos diretos, mas pela via burocrática. E como toda burocracia tem epistemologia, ética e política, creio que não preciso lembrar que o “técnico” está à serviço do político. Não poderia deixar de citar um fato curioso e escandaloso que ocorreu no início da greve. Durante uma longa reunião que buscava suspender o calendário acadêmico, ocorreu uma ligação telefônica, após essa ligação, os rumos da reunião mudaram. Como não estive presente, seria leviano afirmar a total veracidade disso, mas há testemunhas oculares no CGDUFABC que podem ou não (se tiverem coragem) explicar detalhadamente o que ocorreu. Tratando tal fato como mera hipótese e analisando-o em conjunto com os documentos e notas da reitoria, temo que a interferência política na UFABC é altíssima e a investigação sobre ela pode ser extremamente perigosa para quem ousar fazê-lo. Há quem diga, que até ameaça de processo judicial sofreram por falarem mais do que deviam. Creio que não devemos ter medo da justiça, que devemos respeitar as leis e punir @s agentes públic@s que colocam as instituições públicas à serviço de interesses partidários, quando não as colocam à serviço dos próprios interesses. Ameaças não devem nos fazer tremer, devem nos fortalecer e nos fazer seguir adiante, lutando contra tudo e todos que querem destruir nossa sacra instituição e seu projeto pedagógico;

– DESQUALIFICA e MENTE sobre a greve docente, discente e de TA’s ao dizer que “ao desmobilizar sete mil alunos, mantendo-os em casa sem propósito“. Primeiro: a UFABC não desmobilizou @s alun@s, segundo, houve o contrário, pela primeira vez na história da universidade onde o Lula é recebido com tapete vermelho, houve uma mobilização das três categorias e a discussão por vários dias sobre os nossos problemas e o que fazer para resolver eles. Lembrando a resolução 89, a própria reitoria se viu obrigada a reconhecer o movimento grevista local, e de repente, ela descobre que “está falhando em sua missão educativa”? assim, do nada? Antes, ao referendar a resolução e se omitir, não se posicionando claramente, ela não “estava falhando em sua missão educativa”? É muita cara de pau da reitoria da UFABC. Nos trata como criaturas acéfalas e demonstra o quão desonesta e manipuladora tem sido. Para a tristeza e decepção de muitas pessoas que amam esta universidade e que acreditam que ela poderia ser um espaço privilegiado para a transformação do sistema educacional superior brasileiro. Sim, a UFABC é inovadora, em 27 anos de idade, eu nunca vivenciei um processo tão bem articulado de enganação e manipulação como o que a reitoria da UFABC-GOVERNO  operou. Parabéns, vocês são profissionais.

– CONFUNDE @ leitor@ quando diz: “ainda que respeitando os movimentos grevistas e acatando a decisão do Conselho Universitário que paralisou a graduação, a Reitoria almeja a normalização das atividades da Universidade”. Que jogo de palavras infernal. Alguém me explica como se respeita os movimentos grevistas, se acata a decisão de um conselho universitário e se normaliza as atividades da universidade? Por favor reitoria, assuma de que lado você está! Não dá para ficar brincando com a nossa cara. Chega de enrolação, seja franca, transparente, clara, honesta. Seja digna do título de “magnífica”. Respeitem 7000 alun@s que tiveram suas vidas transtornadas por causa de uma greve e que não aguentam mais os jogos de poder internos falarem mais alto do que o sofrimento estudantil. E lembre-se, o trono não é eterno, muit@s reis e rainhas foram decaptad@s e governantes depost@s. Se excitarem a ira da plebe rude estudantil, terão uma resposta nada agradável. Em 2013, as urnas serão nossas armas e o trono pode trocar de majestade. Se querem preservar o micropoder que possuem, deixem pelo menos cair no chão as migalhas dos pães que lhes alimentam, para saciar a fome de um povo que tem sede de saber, de conhecimento e de desenvolvimento intelectual de excelência e alto nível.

Considerações Finais

Peço desculpas por me alongar mais do que o desejável e por eventais erros de escrita que possam haver neste texto. Eu, Tatyane Estrela, membra do CGDUFABC – Comando de Greve Discente da UFABC desde a sua composição até a presente data, assumo total responsabilidade pelas informações veiculadas e me disponho para esclarecer qualquer ponto citado neste texto. As observações e críticas aqui colocadas NÃO REPRESENTAM o pensamento de tod@s @s membr@s do CGDUFABC, mas tão e somente minha leitura das ações da reitoria durante este processo de greve. Gostaria de poder falar sobre mais detalhes dos bastidores da greve e aguardo ansiosamente o momento em que ela se encerre e possamos fazer uma profunda reflexão sobre como atuaram @s diversas agentes envolvid@s e quais os interesses que se firmaram neste processo político. Havendo algum incidente que afete minha integridade física, mental e/ou social e que me impeça de dar prosseguimento aos debates e participar das atividades políticas e acadêmicas da UFABC, peço que a comunidade acadêmica da UFABC dê prosseguimento às investigações sobre o atual processo de greve.

Atenciosamente

Tatyane Estrela

Moção do 11º Congresso da CUT de apoio à Greve dos Docentes e Técnico-administrativos das Instituições Federais de Ensino Superior

“Os 2.500 delegados presentes no 11º CONGRESSO DA CUT, ocorrido em São Paulo, no período de 09 a 13 de julho de 2012, manifestam irrestrito apoio aos setores do funcionalismo público em mobilização e greve, em defesa dos serviços públicos. Apoio aos grevistas do setor da educação das instituições federais de ensino – docentes, técnicos-administrativos e estudantes – que reivindicam carreira, salários, melhoria das condições de trabalho e aumento dos investimentos públicos em educação – exigindo do governo abertura imediata de verdadeiras negociações e respeito ao direito de greve, retirando as ameaças de desconto dos dias parados.

TODO APOIO À MOBILIZAÇÃO E À GREVE DOS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS!
APOIO À LUTA EM DEFESA DA EDUCAÇÃO PÚBLICA!
APOIO À GREVE DOS DOCENTES E TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR!”

Enviado por Giorgio Romano Schutte

Assembleia d@s estudantes da UFABC pretende colocar nossos problemas na mesa

A adesão d@s estudantes à greve completa mais de 40 dias, após uma assembleia histórica. Nesse tempo, acompanhamos com ansiedade o desenrolar dessa situação. Infelizmente não houve grandes mudanças na perspectiva de que a greve acabe logo.

Diversas atividades foram e estão sendo realizadas pelo Comando de Greve Discente da UFABC (CGDUFABC), algumas junto aos comandos de docentes e de TA’s, buscando discutir questões políticas, promover ações culturais e de confraternização na universidade. Além de atos públicos e manifestações.

Esse mesmo grupo entende que é o momento de levantar outras questões importantes que envolvem @s alun@s e a Universidade Federal do ABC localmente. Para esse fim e encaminhamentos relacionados à greve já instaurada, convocamos tod@s para essa Assembleia.

Pauta
– Status e Informes;
– Aprovação da Carta de Reivindicações com pauta local;
– Aprovação do planejamento de atividades;
– Discussão e proposta de novas iniciativas;
– Eleição de delegados da UFABC para o Comando Nacional de Greve Estudantil;
– Eleição de novos membros para o Comando de Greve.

Se você é a favor ou contra, está sendo afetado da mesma forma. Se você é indiferente a tudo isso, certamente existem outras coisas nessa instituição que lhe afetam e caberiam ser discutidas ou reivindicadas, venha!

ALUN@ DA UFABC, SUA PRESENÇA É FUNDAMENTAL! PARTICIPE!

ATT
Comando de Greve Discente da UFABC (CGDFABC)

Data: segunda-feira, 16 de julho de 2012, com primeira chamada às 18:30 e segunda às 19:00 horas e previsão de término às 19:00 horas.

Local: chão vermelho do bloco A.

Link do evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/410466915670368/

Envie suas perguntas, sugestões e dúvidas sobre este processo de greve e a atuação do CGDUFABC: http://migre.me/9TLEh

Reestruturação do CGDUFABC e próxima reunião em 12 de julho

Foi realizada uma reestruturação do CGDUFABC – Comando de Greve Discente da UFABC na última reunião do comando, que ocorreu na terça-feira, 10 de julho de 2012. O comando deixa de ter grupos de trabalho e as ações e atos passam a ser deliberados apenas nas reuniões do CGDUFABC. As reuniões serão realizadas às segundas-feiras às 19 horas, no Bloco A – Sala 004-0 ou 006-0. @s membr@s que estão cadastrad@s como participantes do comando e que estão inativ@s serão desligados caso não se posicionem quanto as atividades do comando. O quórum mínimo para que ocorram deliberações nas reuniões do CGDUFABC passa a ser de 10 pessoas a partir da próxima reunião. As reuniões do comando são abertas e tod@s @s alun@s interessad@s podem participar.

Segue a ata da última reunião do Comando de Greve Discente da UFABC: https://docs.google.com/file/d/0B7eDZSGJKFkqMEJJOFlwU0J0blE/edit#